Os Antidepressivos no Tratamento da EP

Os Antidepressivos no Tratamento da EP

como segurar a ejaculacao

como prevenir ejaculaçao precoce,

Os Antidepressivos no Tratamento da EP

Quero Aprender

Os Antidepressivos no Tratamento da EP

A ejaculação precoce é uma disfunção sexual que atinge 30% dos homens no mundo todo.

As causas mais comuns são psicológicas: traumas, pressões, ansiedade, estresse e tensão são problemas que perseguem muitos homens e fazem com que ele seja infeliz sexualmente.

As consequências da ejaculação precoce para o homem são diversas: ele pode ficar inseguro, sofrer de disfunção erétil secundária, perder a libido, ficar deprimido ou romper relacionamentos amorosos.

Para tratar essa disfunção, é preciso, em primeiro lugar, procurar um urologista.

Ele vai fazer uma análise clínica geral para retirar a chance de o problema ter causas orgânicas.

Então, ele vai propor um tratamento psicoterapêutico para acompanhar o farmacológico.

Os medicamentos mais utilizados no tratamento da ejaculação precoce são os antidepressivos.

Nos anos 60, foi descoberto que os antidepressivos causavam um efeito colateral interessante nos pacientes: eles retardavam a ejaculação.

Há três tipos de antidepressivos no mercado. Uma divisão deles são os Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina, ou ISRS, que aumentam a concentração da serotonina, responsável pela ejaculação, prolongando-a.

Eles se encontram em medicamentos que têm em sua fórmula o Citalopram, a Fluoxetina, a Nefazodona, a Paroxetina e a Sertralina.

Essas substâncias devem ser receitadas pelo médico na dose certa para cada organismo, ou senão os efeitos colaterais poderão ser muito adversos como dores de cabeça, náuseas, boca seca, problemas cutâneos, diarréias ou insônias.

Um ISRS que tem sido muito esperado no Brasil é a Depoxetina, encontrada na fórmula do Priligy, o primeiro remédio feito especialmente para quem sofre de ejaculação precoce.

Além de prolongar o tempo ejaculatório, tem poucos efeitos colaterais, pois as substâncias são eliminadas rapidamente pelo organismo.

Ele pode aumentar em até 4,5 minutos o período de latência ejaculatória.

Os bloqueadores de receptores centrais de dopamina também retardam a ejaculação, pois o neurotransmissor dopamina tem a função de estimular o sistema nervoso central.

Os bloqueadores são encontrados em medicamentos antipsicóticos ou neurolépticos.

As substâncias que têm esse efeito são o Clorpromazina, o Levomeprazina, o Sulpirida, o Tioridazina e o Trifluoperazina.

Os efeitos colaterais apresentados pela administração desses medicamentos foram: náuseas, congestões nasais, boca seca, insônias, tonturas, dores de cabeça e erupções cutâneas.

O terceiro grupo de antidepressivos é o dos tricíclicos.

Eles aumentam o grau de serotonina e de norepinefrina bloqueando a recaptação desses neurotransmissores, já que possuem propriedades anticolinérgicas, inibindo a acetilcolina, neurotransmissor encontrado no sistema nervoso periférico.

Eles são muito utilizados para o tratamento do Mal de Parkinson, pois a pessoa tem o controle muscular. As substâncias que fazem parte desse grupo são:

Amitriptilina, Clomipramina, Imipramina, Maprotilina e Nortriptilina.

Os efeitos colaterais causados pela ingestão dos antidepressivos tricíclicos são: delírios, alucinações, rigidez muscular, fotos sensibilidade, vômitos, sudoreses, diarreias e problemas de sono.

Esses medicamentos só devem ser ingeridos com a indicação médica.

A auto -medicação só pode piorar o problema, pois cada antidepressivo e suas doses são receitados para cada tipo de pessoa.

Há também tratamentos naturais para ejaculação precoce que não causam efeitos colaterais e nem dependência química.

São exercícios simples e fáceis de serem feitos.

Garanta sua vida sexual, tornando-a plena e feliz. Saiba mais.

Até Mais.

Abraço;

Quero Aprender

Conheça o Nosso Site, Clique Abaixo: 

http://controlandosuaejaculacao.com.br/cv/

dicas ejaculação precoce,

tecnicas ejaculaçao precoce

Conheça o Nosso Site, Clique Abaixo:

http://controlandosuaejaculacao.com.br/cv/